Skip to content

Explicação Física: O que são os Nadis e como surgem os Chakras

July 1, 2011
A unidade básico do corpo, podemos dizer, são as células. Elas formam os tecidos, que por sua vez, formam os órgãos do corpo.
A células trocam energia entre si para que haja a manutenção da vida no corpo. A célula precisa de “energia livre” para exercer essa divisão, então ela utiliza uma fonte externa, ou como a ciência diz, “pega energia do meio”. Através de observação espiritual, sabemos que essa energia livre é um campo eletromagnético de muito baixa intensidade, gerado durante os processos de trocas iônicas. Sendo as células as constituintes dos tecidos e esses constituindo órgãos, fica fácil perceber a grande variedade de densidade energética necessária para nutrir os tecidos de densidades diferentes existentes no corpo.
Nos momentos de trocas celulares, onde um átomo perde ou ganha elétrons, é gerado um campo eletromagnético de muito baixa intensidade. Assim, se um tecido apresenta células semelhantes, o campo eletromagnético também é semelhante entre si. Então os campos de densidade semelhantes se atraem e surge um fluxo de energias entre os dois, sempre buscando um caminho de menor esforço, para um melhor aproveitamento da energia.

Veja também no site Mestres Ascensos: Doenças ligadas ao desequilíbrio dos Chakras

Esses fluxos de correntes eletromagnéticas de muito baixa intensidade são os NADIS e são análogos aos meridianos,como são conhecidos na medicina chinesa.

Eles interconectam as regiões do corpo com semelhança eletromagnética a fim de promover energia instantânea para todos os processos celulares e, ao mesmo tempo, esses processos geram o campo eletromagnético de novo. É um sistema alimentado pela respiração, luz solar e alimentos sólidos e líquidos que ingerimos.

Essa conversão da energia pela respiração e alimentação gera resíduos e esses resíduos precisam ser exalados para fora do corpo, caso contrário ele entra em colapso. Assim, as trocas eletromagnéticas também geram um “resíduo”. Esse resíduo é produto da má utilização da energia, do seu uso não otimizado.
O prana se movimenta intensamente pelo corpo e por causa de nossas variações emocionais a energia pode ficar mais concentrada em uma parte e menos em outra, pois quando possuímos um padrão emocional repetitivo, como a raiva, por exemplo, poderemos estar inibindo o fluxo bioenergético em uma região especifica do corpo.
Com o passar do tempo, esse padrão de desordem pode comprometer o processo de irrigação energética da região de tal forma que a região fica doente.
Como as nossas variações emocionais são grandes e em alguns casos intensas durante o dia, a energia captada pela respiração, pelo Sol e pelos alimentos estão sempre em movimento de “emergência”, ou seja, sempre se direcionando para o ponto onde há maior desequilíbrio.
Ao mesmo tempo, o campo de energia se movimenta para tirar a energia daninha do corpo a fim de torná-lo equilibrado.
Ex.: Vamos supor que na base da coluna existam muitos nadis ou canais de corrente eletromagnética de densidades semelhantes, mas não iguais.
Eles produzem o “resíduo” que precisam ser eliminados. Então eles vão se “unindo”, quase que colados ao ponto de parecem ser um só e percorrem uma mesma direção que é a de menor esforço, o caminho mais “ideal”.
Ao saírem do corpo, esse “resíduo” é liberado e, pelas próprias interações das leis da física, parte dele é emanado e parte é atraída novamente para a “boca de despejo”.
Isso ocorre num movimento “espiralado”, mas essas partículas eletromagnéticas se atraem mutuamente, ou seja, giram uma ao redor da outra.
A “boca de despejo” se transforma em um centro de INTERFLUXO de energias. Ao mesmo tempo em que entra energia, está saindo.
Essa “boca de despejo” é o que chamamos de CHAKRAS e suas pétalas, nada mais são do que o nº de nadis que irradiam naquela região utilizada como “zona de menor esforço” para o lançamento de “resíduos”.

Esse resíduo liberado seria o próprio campo eletromagnético ou como estamos acostumados a chamar, o prana, modificado pela nossa interação consciencial (pensamentos e sentimentos).
Esse campo que é emanado e que não é reabsorvido, forma uma capa ao redor do corpo e recebe o nome de DUPLO ETÉRICO ou CAMPO BIOELÉTRICO pelos espiritualistas. Esse duplo é todo o conjunto de manifestação prânica no corpo e sua existência é comprovada cientificamente pela FOTO KIRLIAN. Assim, fica claro que a foto KIRLIAN é a foto do duplo e não da AURA.
Existem vários fatores que fazem mais ou menos prana fluir no chakra, como por exemplo a alimentação, o ambiente físico onde você está, mas principalmente seus estados emocionais.
Quais as fontes principais de energia do corpo?
Respiração e calor (Sol) e, como não respiramos direito, precisamos de outras fontes como a dos alimentos para repor a energia que falta ou para suprir o campo eletromagnético defasado pela má respiração.
As práticas meditativas ou de visualização criativa são maneiras de equilibrar as emanações emocionais nos chakras e permitir o fluxo mais ordenado de prana no mesmo e nos proporcionando vários benefícios.
O hatha yoga também consegue esse resultado.
Fontehttp://www.esulc.com.br

No comments yet

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: